Institucional

Uma Universidade feita de pessoas recebe a sua comunidade para um novo ano letivo

Após agradecer a resiliência de toda a comunidade universitária, o Reitor da UC olhou para o futuro. O financiamento do Ensino Superior e a necessidade de rejuvenescimento da UC dominaram o discurso de Amílcar Falcão na Abertura Solene das Aulas 2021/22.

13 october, 2021≈ 2 min read

O Reitor da Universidade de Coimbra (UC), Amílcar Falcão, e o presidente da Associação Académica de Coimbra (AAC), João Assunção, deram oficialmente início às aulas do ano letivo 2021/22, na Sala dos Capelos que voltou a receber a comunidade universitária para o evento, depois de um ano marcado pela pandemia. A Abertura Solene das Aulas ficou ainda marcada pela Oração de Sapiência, a cargo de Anabela Miranda Rodrigues, da Faculdade de Direito da UC.

Ao inaugurar o ano letivo, o Reitor da UC recorda que este "não corresponde ainda na sua plenitude àquilo que era a nossa vivência pré-pandémica", no entanto, para Amílcar Falcão, "o regresso ao ensino presencial é um ganho enorme numa academia em que as relações humanas sempre foram a nossa marca d’água". Apelando ao civismo, o responsável pediu, em particular aos estudantes, "alguma contenção especialmente nas festividades, sendo certo que a proteção da comunidade depende sempre do comportamento de cada um de nós".

Durante a intervenção, o Reitor da UC falou da situação do financiamento do Ensino Superior, que deve saber aproveitar o Plano de Recuperação e Resiliência e para a aplicação do qual pediu maiores níveis de "transparência e de acesso à informação", e lembrou que, "em absolutamente nenhuma circunstância, se [deve] usar o dinheiro europeu como argumento para o corte de financiamento estatal, principalmente numa fase de clara expansão da Universidade de Coimbra". Também a situação de emprego científico precário foi referida, numa Universidade que é de investigação, como é o caso da UC. "Estamos perfeitamente a tempo de inverter esta insuficiência, aproveitando os fundos europeus para estimular a inserção destes ativos valiosos no mercado de trabalho", garantiu Amílcar Falcão.

Para o futuro da UC, o Reitor deixou claro que "urge proceder a uma reforma da oferta pedagógica da Universidade de Coimbra, refrescando no primeiro ciclo, inovando no segundo ciclo, otimizando no terceiro ciclo".

"A Universidade de Coimbra é uma casa feita não de pedras, mas de múltiplas mãos, provenientes de muitas gerações", referiu Amílcar Falcão. Com uma nota particular para as pessoas, o responsável terminou com uma nota de esperança: "A UC ao longo da sua secular existência cruzou-se com pandemias, guerras e regimes políticos adversos à produção e disseminação do conhecimento. A tudo isso a UC resistiu. Resistir ou resistir foram e serão sempre as nossas duas opções nos momentos mais difíceis. Por isso nos orgulhamos do passado, inspirando-nos nele para cuidar do presente e projetar o futuro".

Reveja aqui a cerimónia na íntegra: